quinta-feira, 3 de abril de 2008

Ainda é tempo



Ainda é tempo de não ferir.
De amar verdadeiramente, aprender a se amar.
Tempo de plantar, renovar, se cuidar e conseguir.
Tempo de determinar o que será.

Escrever futuro em pena leve.
Desta minha'lma carente.
Lírica, carinhosa, entregue.
Muito animada por ser muito quente.

Ainda é tempo de enxergar...
Que as perdas não são só minhas, ouvir o que o coração diz.
Mas de quem não conseguiu me amar.
Também não soube como eu o faria feliz.

Ainda é tempo de levantar...
Da queda, depressão da rejeição,tecer nova teia .
E consigo até me perdoar.
De ser considerada um padrão de beleza feia.


Eu não choro mais minhas perdas, agradeço a experiência.
É tempo de saber aprender a superar.
O que não é profundo não tem consistência.
Nem pode me salvar.

Cleide Regina Ribeiro

4 comentários:

BLOG DO ZÉ ROBERTO disse...

Belissima poesia e que emociona...
Parabéns Cleide, gostei muito de seu poema!! Beijos!!!

Marô disse...

Ainda é tempo...Que bom...

Linda poesia!

o¤° SORRISO °¤o disse...

Embora achemos que o tempo se acaba de imediato, sempre há uns minutinhos extras para fazer algo importante. Ainda é tempo, ainda há tempo.

Linda poesia.
Beijos mil!

helen ps disse...

Poesia com profundidade e experiência, de quem já entendeu que sempre há tempo... Parabéns!

Feliz novo ano!

Feliz novo ano!

Nossa mensagem de Natal

Nossa mensagem de Natal