quinta-feira, 31 de janeiro de 2008



Sinfonia inacabada a dois corpos



(Sinfonia em 11 Movimentos)


Primeiro Movimento: Largo

Os corpos se encontram
Mas não se vêem
Mantêm-se distantes
Um do outro

Os olhares atentos
olham para tudo
e para todos
mas não se miram

Segundo Movimento: Affettuoso

Os corpos não se encontram
mas se vêem
E aí começa o flerte
delicado e tímido

Insinuam-se as palavras
Gestos demonstram desejos
em metáforas escritas
de fácil tradução

Terceiro Movimento: Allegro

Os desejos são trocados
ainda de forma velada
demonstrando claramente
aquilo que se quer

Retratos estão á vista
se exibindo, excitando
preparando o enlace
que não tarda a começar

Quarto Movimento: Adágio

O amor começa...
Um sentimento terno
que envolve e protege
que ampara e acolhe

Emociona, faz marejar!
impressiona pela beleza
que abraça os dois corpos
e os une de vez

Quinto Movimento: Dolce

Promessas são trocadas
Planos são traçados
Lembranças do passado
os fazem refletir.

Que o começo de tudo
poderia ter sido outro
se seus olhos se fitassem
em sentimento e vontade

Sexto Movimento: Allegro ma non troppo

Começa a dança sensual
ainda pouco intensa
mas forte o suficiente
para lindas noites de cópula

Dois corpos se transformam
em um único corpo
que estremece em uníssono
numa perfeita sincronia

Sétimo Movimento: Com fuoco

O fogo intenso faz estremecer
A mente perde o juízo
e os movimentos se aceleram
marcando um ritmo veloz

Já esquecem o perigo
pensando apenas na chama
que crepita ardentemente
dentro de cada um

Oitavo Movimento: Maestoso

Movimentos sincronizados
muito rápidos e precisos
fazem suar e contorcer
numa transa majestosa

Os corpos dos amantes
O que se abre por inteiro
E o que penetra sem cessar
Se entregam ao prazer
com vontade e volúpia

Nono Movimento: Agitato

As palavras sussurradas
ao pé do ouvido
são trocadas por palavrões
gritados, sentidos

Até que as estocadas finais
Dadas com precisão
Façam misturar o suor dos corpos
Com leite e mel

Décimo Movimento: Largo

Abraçados com paixão
Os corpos descansam
Trêmulos e ofegantes
Exaustos, porém saciados

E depois se deitam
Dormindo de conchinha
ao fim dessa intensa noite
Que mais uma vez foi recheada
De sexo, amor e tesão...

Zé Roberto

7 comentários:

BLOG DO ZÉ ROBERTO disse...

Poxa, que bacana nosso blog Moniquinha! Que ele renda bons frutos e que os poetas postem centenas de poesias aqui. Ficou linda a minha poesia aqui viu? Beijão poetisa, amodoro você!!

Daniel Barros disse...

Ta lindo isso.Uma bela sinfonia.Incompleta ou não és maravilhosa.

Guida disse...

(suspiro)...que delícia de poema, ZéRo...que delícia!

Moniquinha disse...

Ah concordo com o Daniel e a Guida...essa poesia é uma delicia!!!
Ai ai...linda Zé, não foi à toa que foi escolhida não é??
bjs meu lindo!!

helen ps disse...

Linda sinfonia!

Maria Eugenia disse...

Esta sinfonia é tudo de belo que há!!!
Abração Zé!!!

felipecarvalho disse...

Zé... FANTASTICO!
Gostei muito... mergulhei na poesia. A cada verso a expectativa do próximo.
Bela reticência final...
Parabéns!

Feliz novo ano!

Feliz novo ano!

Nossa mensagem de Natal

Nossa mensagem de Natal